5 Livros Nacionais de Poesia escritos por Mulheres

Aproveitando que nesse mês comemoramos o “Dia Mundial da Poesia” e também o “Dia Internacional da Mulher”, resolvi trazer essa listinha especial com alguns livros de poesia contemporânea escritos por autoras nacionais.

Sim, esse Post está carregado de Poesia Nacional Feminina.

Então, se você ainda não leu nenhum livro de poesia, vem dar uma olhada nessa lista, que eu garanto que você vai encontrar algum livro que te agrade.


Lembrando que o Link para a compra dos livros estará presente durante todo o post, ajuda bastante se você comprar pelo meu link da Amazon, além de você ajudar o blog sem pagar nada a mais por isso.


 


Coisas que guardei pra mim – Samara A. Buchweitz


Coisas que guardei para mim” conduz o leitor à reflexão sobre tudo aquilo que costumamos guardar para nós mesmos sem externarmos: o nosso sofrimento, a nossa alegria, o nosso amor, o nosso aprendizado.

Profundo e poético, com ilustrações sensíveis de Laerte Silvino, o leitor encontra uma palavra que aquece o coração, que faz pensar, entender o que se passa com cada um de nós e, muitas vezes, provoca um sorriso que chega aos olhos, com a certeza de que a autora escreveu o livro para cada um de nós.

Meu corpo virou poesia – Bruna Vieira


Formado por quatro partescabeça, garganta, pulmão e ventre ―, este livro é um mapa. Um mapa que leva Bruna de volta à escrita e a si mesma. São relatos reais, repletos de lembranças, aprendizados e cicatrizes, que agora deixam o corpo da autora para encontrar o seu, em forma de poesia.

Ao tocar em temas como autoestima, amizade feminina e relacionamentos (com o outro e sobretudo consigo mesma), Bruna olha para dentro e nos convida a percorrer nestes versos nossa própria viagem de autodescoberta.

Querem nos calar – Organizado por Mel Duarte


A antologia “Querem nos calar: poemas para serem lidos em voz alta” reúne poesias de 15 mulheres slammers de todas as regiões do Brasil.

Os chamados poetry slams chegaram ao Brasil pelas mãos de Roberta Estrela D’Alva, em 2008, e são batalhas de poesia falada com temática livre que tem como destaque temas como racismo, machismo e desigualdade social.

Risque esta palavra – Ana Martins Marques


A poesia de Ana Martins Marques atesta que as palavras são capazes de tudo: de absorver o que está ao redor ― na tentativa de compreender o mundo ―, mas, sobretudo, de criar novos mundos. Em seus versos, que nascem da observação e da curiosidade, a linguagem às vezes serve para pensar. Outras vezes, as palavras são deixadas de lado e dão lugar a um “buraco cheio de silêncio”. E então a poeta conclui: “um poema não é mais do que uma pedra que grita”.

Em “Risque esta palavra“, uma das vozes mais celebradas da literatura hoje cria uma espécie de inventário de experiências afetivas. Com clareza, inquietação e extrema habilidade, Ana Martins Marques mapeia os encontros e desencontros, a paixão e o luto, e prova que “quase só de palavras se faz o amor”.

Um útero é do tamanho de um punho – Angélica Freitas


Um útero é do tamanho de um punho“, reúne poemas escritos a partir de um tema central: a mulher.

Uma das vozes mais destacadas da geração, Angélica Freitas subverte as imagens absolutamente gastas do que se espera do gênero feminino ― anunciadas em capas de revistas e em vitrines de lojas de departamentos ―, e joga luz ― com inteligência, sagacidade e senso de humor aguçado ― sobre o nosso tempo.

E Caso você tenha a Rede Social Skoob, deixarei a seguir, a avaliação que cada um dos livros possuí na plataforma. Aproveita e me segue lá, eu surto bastante em algumas leituras (quando me lembro que o Skoob existe rsrs).

2 comentários em “5 Livros Nacionais de Poesia escritos por Mulheres

  1. Está faltando na lista simplesmente a maior artista da poesia do Brasil em todos os tempos: a genial e incomparável Cecília Meireles. Além de ser uma brilhante e visionária poeta, Cecília sempre teve uma visão bem feminista, dando voz à perspectiva das mulheres como sujeitos da história. Sugerimos a obra-prima épica “Romanceiro da Inconfidência”. A seguir, um trecho do Romance XXIV ou da Bandeira da Inconfidência:
    ” Liberdade, ainda que tarde!
    Ouve-se em redor da mesa.
    E a bandeira já está viva
    E sobe na noite imensa.
    E os seus tristes inventores
    Já são réus – pois se atreveram a falar em Liberdade.
    Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta
    que não há ninguém que explique
    e ninguém que não entenda.”

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s